O que é o Princípio de Pareto e como funciona?

O princípio de Pareto indica que 80% das consequências são derivadas de 20% das causas. Um princípio que surgiu por Vilfredo Pareto no século XIX, no qual a génese da sua teoria assentava na observação por parte do autor que concluía que cerca de 80% do terreno em Itália era ocupado por cerca de 20% da população. Da mesma forma, Pareto viu no seu jardim que cerca de 80% das ervilhas provinham de cerca de 20% das plantas deste legume.

Ao longo da sua investigação, Vilfredo Pareto encontrou outras correlações noutras áreas, onde também se verificou esta regra 80/20, levando a que, nos dias de hoje, seja reconhecida e interpretada como:

80% dos resultados surgem através de 20% dos esforços – em temas como: negócios, economia, nível pessoal, entre outros.

No entanto, é importante referir que o princípio de Pareto é uma prática de observação e não uma lei a ser seguida na sua forma literal. Afinal de contas, correlação não significa causa, mas também nem por isso significa que deva ser ignorada.

Este conceito sugere que, por exemplo numa lista de tarefas, 20% delas irão gerar 80% do resultado final. E é precisamente nestes 20% que a maior parte das pessoas, seja a nível profissional ou pessoal, não despende o tempo necessário ou tende a procrastinar no alcance do sucesso, seja qual for o campo em análise.

Exemplos de Princípio de Pareto

Apesar de não ser regra, num modo genérico observamos muitas vezes que:

  • 80% dos resultados das empresas são gerados por 20% dos seus colaboradores;
  • 80% dos lucros das empresas são obtidos por 20% dos clientes;
  • 80% dos crimes provêm de 20% da população;
  • 80% da poluição mundial é proveniente por 20% das fábricas.

Como aplicar o Princípio de Pareto no seu quotidiano?

Recorrer ao método de Pareto irá sem dúvida aumentar a sua produtividade no dia-a-dia. Seja profissionalmente ou no ponto de vista pessoal, esta é a técnica que irá mantê-lo focado na realização das tarefas necessárias para o alcance dos seus objetivos.

Vamos a um exercício?

Numa folha de papel, pense e escreva dez objetivos que tenha. De seguida, faça uma reflexão sobre essa listagem. Entre esses objetivos selecione o mais relevante e impactante na sua rotina diária. Depois disso, escolha o segundo objetivo mais importante nessa lista. A listagem não tem de ser obrigatoriamente de 10 objetivos, nem os escolhidos têm de ser exatamente 2, mas neste ângulo já se apercebeu do que aqui temos? Preciosamente os 20% que poderão trazer 80% dos resultados. Ou seja, temos escolhidas as tarefas que poderão conferir os resultados mais importantes na sua vida, seja em que campo for.

Posteriormente, entre as tarefas escolhidas, opte por começar por aquela que é mais difícil. Muitos profissionais desvalorizam esta metodologia, acabando por dedicar demasiado tempo em tarefas de baixo impacto, ou seja, tarefas que poderão demorar demasiado tempo para a baixa importância que têm.

Geralmente, as atividades mais importantes estão associadas a um nível de complexidade superior, contudo os benefícios na conclusão das mesmas poderão ser imensos. Evite a procrastinação, ocupar demasiado tempo em tarefas com pouca relevância e garanta o foco naquilo que realmente poderá fazer a diferença.

O truque pode passar por começar o seu dia pelas tarefas mais importantes e evitar aquelas que não se enquadram na regra dos 20%, pois se optar pelas mais fáceis ou de baixa importância constantemente, desenvolverá a longo prazo, o hábito de iniciar os seus dias por tarefas de baixo valor.

Porque é útil esta técnica de gestão do tempo?

Neste ponto do artigo é importante referir que o princípio de Pareto é apenas uma técnica de observação e não uma lei absoluta, que poderá aplicar-se ou não a todos os cenários, tolerando alguma flexibilidade no que diz respeito às proporções esforço/resultado. Ainda assim, o importante a reter desta metodologia será o seu fundamento.

Na prática, e com várias aplicações nas nossas rotinas diárias, poderá vir a concluir que, por exemplo, 20% dos clientes geram 80% dos lucros do seu negócio. Perante este cenário, o que concluir segundo este princípio? Dedique especial atenção a este grupo que corresponde a 20% da sua carteira de clientes. Os exemplos onde esta metodologia poderá ser aplicada são praticamente infinitos. Preserve a ideia de que deve reunir os seus esforços nos 20% e não nos 80%, que geralmente não agregam muito valor, seja qual for o campo em análise. Mas, acima de tudo, lembre-se que mesmo que esta percentagem não corresponda exatamente à sua realidade, uma semelhante irá corresponder. Não descurando nenhuma das percentagens, foque os seus maiores esforços na percentagem mais rentável para si.

Princípio de Pareto na Seleção e Recrutamento de profissionais

Como foi referido no ponto anterior, a técnica de Pareto poderá ser transversalmente aplicada e a seleção e recrutamento da nossa atualidade não é exceção.

Na pesquisa, os recrutadores deverão saber que os candidatos não são todos iguais e que existirão certamente algumas redes/websites onde um maior número de profissionais se aglomera em detrimento de outras. De um ponto de vista mais técnico, quando surge a necessidade de contratação de um profissional das novas tecnologias, o LinkedIn tem sido muitas vezes colocado à parte por estes profissionais pelos sucessivos abusos por parte dos recrutadores, que nem sempre demonstram as melhores práticas nos processos de abordagem.

Uma solução para este padrão comportamental passa por tentar outras comunidades onde estes perfis igualmente se encontram, como – e se por exemplo estivermos a falar de perfis tecnológicos – é o caso do Github e do Stack Overflow, onde o contacto poderá ser também mais eficaz.

De que formas se relacionam estes factos com o princípio de Pareto? Estes grupos poderão precisamente representar o esforço de 20%, que poderá representar 80% do sucesso de contratação destes profissionais. É crucial que analise os seus dados e verifique de onde são provenientes os melhores candidatos, que foram contratados no passado.

No espectro das entrevistas, muitas vezes os recrutadores apresentam uma quantidade de perguntas aos candidatos superior à que é necessária. Estes, deverão dedicar mais tempo neste ponto, bem como a definir minuciosamente o perfil do potencial candidato, no que concerne à formação e experiência.

Mais uma vez, é indispensável que as perguntas colocadas na entrevista de emprego, tenham o maior impacto no processo de recrutamento possível.

Nota Final

Recorde-se que o princípio de Pareto, de onde surge a regra 80/20, é apenas uma sugestão de abordagem para a gestão, em que o objetivo passa por minimizar o tempo perdido e aumentar significativamente a eficiência.

Sugerimos também que procure interiorizar esta metodologia sem que para isso tenha de se reger exatamente pelos números 20 e 80, até porque estes não são valores absolutos, são sim meras correlações encontradas no passado. No entanto, são também números representativos da distribuição que, acima de tudo, significam uma organização de prioridades para uma retenção de sucesso superior.

A equipa
Human Profiler

Gostou deste artigo? Partilhe-o nas redes sociais ou envie a um amigo.