A importância do marketing pessoal nas redes sociais

Nos tempos que correm, o marketing pessoal nas redes sociais passou a ser uma obrigação e não uma opção.

É já “um faz parte” da sociedade atual, quer em termos pessoais, quer em termos profissionais.

Porém, ter uma presença nas redes sociais é muito mais do que simplesmente criar um perfil. É trabalhar esse perfil como um verdadeiro cartão de visita digital.

Cada vez mais as organizações procuram candidatos através das redes sociais como o Twitter, Facebook e LinkedIn e por isso, o marketing pessoal nas redes sociais é tão importante nos dias de hoje.

Quer saber como otimizar o seu perfil? Siga as dicas da Human Profiler:

  • APOSTE NO LINKEDIN: Esta dica pode parecer um pouco óbvia, mas a verdade é que muitas pessoas negligenciam o perfil do LinkedIn, depois de o criarem. Esta é a rede social profissional por excelência, e por isso, construir um perfil consistente e uma boa rede de contactos é fundamental se procura uma nova oportunidade profissional.

Com mais de meio milhão de utilizadores, o Linkedin é a rede mais completa já que permite uma partilha a fundo de competências e conhecimentos. Complete o seu perfil de forma clara e atrativa, partilhe conteúdos relevantes à área onde pretende trabalhar e não deixe de consultar grupos e páginas de recrutamento.

  • Crie um perfil relevante em todas as redes: Além do Linkedin, sugerimos que tenha um perfil profissional separado do pessoal. Pesquise conteúdos e opinion makers da sua área.

Pode falar de habilitações literárias, ações de formação ou voluntariado e ainda de interesses pessoais. Esta é uma das principais vantagens de usar redes sociais na procura de emprego. É uma outra estratégia para tornar um processo altamente formal, mais próximo. Para além disso, selecione uma fotografia sua sorridente e positiva, e tenha muita atenção aos erros e à linguagem que utiliza.

  • Seja proativo: É indispensável alimentar a sua presença nestes canais sociais, seja ativo e tome iniciativa. Tente sempre continuar a melhorar o seu perfil, de acordo com as últimas tendências das redes, não esquecendo de ir alargando as suas conexões.
  • Encontre o equilíbrio entre o profissional e o pessoal: Ainda que seja aconselhável partilhar informações e interesses pessoais, é necessário encontrar o equilíbrio entre estas duas vertentes.

Neste sentido, é importante ter o sentido de pertinência apurado antes de partilhar uma opinião referente a qualquer tema, assim como o tipo de fotografias que publica, por exemplo. Jogando pelo seguro, mantenha uma atitude positiva, não exponha demasiado, nem partilhe nada menos bom ou mesmo difamatório sobre as suas experiências anteriores.

O que não fazer nas redes sociais se está à procura de emprego

A internet pode ser uma ótima ferramenta para quem procura emprego. No entanto, existem alguns cuidados a ter. Tudo aquilo que publicamos online fica registado, podendo ser observado por recrutadores. A imagem que transmitimos conta pontos, sejam eles favoráveis ou não.

Por esse motivo, sugerimos o que não fazer nas redes sociais se procura emprego:

  • Falar mal do emprego anterior: Criticar experiências de trabalho anteriores, especialmente se forem citados nomes de colegas ou de empresas. Isso demonstra uma postura desleal e antiética. Aos olhos de quem está a contratar, transmite a sensação de que poderá fazer o mesmo com seu cargo atual.
  • Publicar fotos sensuais: O que cada pessoa faz “entre quatro paredes”, somente a si diz respeito. Porém, na internet, tudo o que publica acaba por se associar à sua imagem. Fotografias provocantes ou imagens que sugiram consumo de álcool ou drogas são completamente inadequadas. Mesmo um trabalhador competente poderá ficar mal conotado.
  • Demonstrar opiniões radicais: Um dos maiores perigos destes locais sociais para quem procura emprego, é falar o que não deve. Textos preconceituosos ou que insultem algum grupo social não devem fazer parte do seu perfil.
  • Erros ortográficos: Gírias e abreviaturas são muito comuns em ambientes digitais, mas para envio de sms’s, por exemplo, nunca em contexto profissional. Deve apresentar uma escrita rica, formal, simples e sem erros ortográficos, nem abreviaturas. Simplificando, tudo se resume à credibilidade que passa.

O que procuram os recrutadores nas redes sociais dos candidatos

Um estudo recente da plataforma Jobvite, revela que 96% dos recrutadores utilizam as redes sociais para identificar profissionais de elevado potencial. E se este argumento não for suficiente para que tenha cuidado com a sua “pegada digital”, este de certeza será: segundo a plataforma de recrutamento Monster, 70% dos recrutadores já recusaram candidatos devido ao conteúdo dos seus perfis nas redes sociais. Em época forte na concorrência dos processos de recrutamento, todos os aspetos contam para selecionar os melhores.

A minha marca sou eu! Os recrutadores procuram especialistas na área para a qual estão a contratar. Posicione-se como um e utilize as redes sociais para fazer o seu marketing pessoal e conduzir a sua carreira profissional ao sucesso.

As competências (skills) comportamentais contam… e muito!
Um dos aspetos que os recrutadores procuram analisar pela sua interação nas redes sociais, é a sua personalidade e a forma como se adequa à cultura da empresa. Todos temos uma e cada vez mais, as soft skills dos candidatos são tão valorizadas pelas empresas como as competências técnicas.

Como utilizar as redes sociais para expandir o seu marketing pessoal

O panorama das redes sociais tem vindo a mudar, mas a maneira como os recrutadores se conectam com os seus potenciais candidatos também tem mudado. Isto é, cada vez mais recrutadores procuram os perfis dos profissionais nas redes sociais pessoais ou corporativas. Uma vez que, 3 em cada 4 recrutadores verificam os perfis ou entram em contato com os candidatos por meio de alguma rede social, é impossível ignorar o poder que um perfil online tem no processo seletivo.

Querem saber quem é realmente. Os profissionais de recrutamento e seleção pretendem ver além do seu currículo. Em sites como o Facebook e o Twitter, é possível captar um pouco mais da sua personalidade, que atividades pratica, que linguagem utiliza e, até mesmo, as suas opiniões sobre assuntos da atualidade. Desta forma, aferem se a sua marca pessoal está alinhada com a empresa e respetivos valores.