Num mercado tão competitivo e aberto como o que estamos a viver, cada vez mais percebemos que uma Organização para ser bem-sucedida tanto a nível nacional como internacional, necessita de manter os bons profissionais do seu lado. Caso não os tenhamos, teremos de encontrar soluções devidamente credenciadas e selecionadas para os conseguirmos encontrar no mercado.

A medida que todos tinham como receita, “O emprego para toda a vida”, infelizmente, ou felizmente, cada vez mais é uma miragem e uma utopia. A tendência foi-se alterando ao logo dos anos, nomeadamente no nosso mercado com o início da grande crise de 2008. Muitas empresas para conseguirem sobreviver, tiveram que alterar obrigatoriamente os seus dogmas e o seu comportamento perante os players do mercado, estes cada vez mais informados e decididos, mas com menor poder de compra, tornaram-se cada vez menos fiéis, a marcas que outrora dominaram o mercado.

Assim, como Darwin percebeu em pleno seculo XIX, todo o organismo necessita de se adaptar ao meio, as empresas em pleno seculo XXI não seriam diferentes. Muitas colapsaram e deixaram um rasto de má gestão, dívidas e desemprego desmedido. Foi uma Era difícil, mas, até certo ponto, podemos associar este cenário a uma seleção natural ou melhor económica, onde apenas sobreviveram aquelas que se mostraram capazes de responder aos novos desafios que este mercado tão volátil exigia.

Chegando ao cerne da questão, sabemos que, como em todas as batalhas, para ganhar mercado, é necessário ter os melhores do nosso lado, equipas que para além de estar perfeitamente comprometidas com o nosso projeto necessitam de ser ágeis, flexíveis e completas, criando soluções e cedendo recursos que apenas podemos pedir aos melhores. Todas as organizações possuem estes recursos e todas têm consciência disso.

A grande questão que neste momento surge é como reter talento nas organizações, motivando-os, tornando o nosso projeto, um projeto comum. A ideia que eles se manterão connosco eternamente é inconsciente e errada.

Desenvolver talento nas Organizações - o fortalecimento do futuro

Assim, torna-se impreterível criar soluções para atrair e manter talento dentro da Organização e para todos os recém-chegados, que de forma cirúrgica, conseguimos atrair para a nossa estrutura.
Para estes últimos, necessitamos de os receber e de os acompanhar no seu novo posto de trabalho e atribuir um Welcome Gift para que se sintam especiais. É fundamental uma visita a todos os departamentos para que fiquem a conhecer os seus novos colegas e todos os cantos da sua nova “segunda casa”. Será também interessante inserir dentro das atividades da empresa (equipa desportiva, almoços/jantares de colegas) este novo ativo criando e estreitando relações profissionais e pessoais.

Por vezes, a reter talento nas organizações passa por pequenos detalhes ou grandes ideias que fazem toda a diferença e sem grande esforço podem ser colocadas em prática, tais como um espaço de lazer, lúdico ou de convívio e realização de almoços e festas em épocas festivas, assim como fazer encontros de forma a fortalecer a união entre equipas – team building.

Outra questão muito importante passa pelo crescimento do trabalhador dentro da estrutura. A estagnação profissional é dos piores cenários que um talento pode enfrentar. É necessário um plano de formação muito exigente de modo a adquirir novas competências para que se sinta valorizado, bem como um plano de carreira bem estruturado, dando-o a conhecer ao trabalhador de forma a que o seu esforço possa ser recompensado.

 Estas são algumas ferramentas que as empresas têm à sua disposição para reterem/adquirem novos talentos além da retribuição salarial.

A equipa
Human Profiler